Busca avançada                              |                                                        |                            linguagem PT EN                      |     cadastre-se  

Itaú

HOME >> ACERVO ON-LINE >> COLUNAS >> COLUNISTAS >> Denise Pragana
COLUNAS


Denise Pragana
denise.pragana@hotmail.com

Mestranda do Programa de Ciências da Comunicação da ECA/USP, com foco em Comunicação e Cultura Organizacional, pós-graduada em Administração de Marketing pela Fundação Armando Álvares Penteado, especialista em Comunicação Internacional pelo programa Aberje-Syracuse University  e jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.  Atua há mais de 25 anos na área de Comunicação Empresarial, à frente da gestão de Comunicação Corporativa de empresas multinacionais brasileiras, como a Construtora Camargo Corrêa, Votorantim Cimentos e Votorantim Celulose e Papel, atual Fíbria. Foi também responsável pela comunicação institucional e assessoria de imprensa da TV Cultura na gestão do jornalista Paulo Markun.  
Áreas de atuação:

  • Desenvolvimento de sistema global de comunicação interna, com uso de plataforma mobile (conceito de “aplique e adapte”)
  • Tratamento da comunicação interna com técnicas de gestão dos atributos da marca: Endobranding
  • Coordenação de processo de comunicação para plano de transição de cultura organizacional
  • Utilização de técnicas de story telling na produção de conteúdos midiáticos
  • Gestão de Responsabilidade Social
  • Planejamento e execução de eventos empresariais
  • Elaboração, implantação e gestão de programa de premiação anual, baseado em indicadores de performance
  • Gestão de crise de imagem e reputação

O que aprendemos com o celebratepride

              Publicado em 03/07/2015

A comprovação sobre os efeitos do mundo globalizado na comunicação, que o sociólogo português Paulo Finuras descreveu como “a redução do espaço e tempo e o desaparecimento das fronteiras internacionais”, aconteceu no último dia 26 de junho, momentos depois da Suprema Corte Americana ter legalizado a união de pessoas do mesmo sexo nos Estados Unidos. A rede social facebook antecipou-se e criou o aplicativo celebratepride, de fácil aplicação, linguagem universal e icônica. Partiu da foto do Zuckerberg e ganhou a aceitação instantânea de milhares de usuários da rede em todo o mundo.

A comunicação imediata, que se espalhou como “rastilho de pólvora”, foi uma verdadeira aula de boas práticas comunicacionais, tornando real a afirmação de Finuras sobre a rapidez da informação nos dias atuais: “Não precisamos de mais do que 20 segundos para, a partir de qualquer ponto do planeta, entrarmos em contato com outro ponto” (FINURAS, 2007, p. 28).

Para exemplificar a eficácia da comunicação adotada pelo facebook, relato a minha experiência pessoal com este fato. Eis que por vota das 17h do dia 26 de junho, retornava de um compromisso que durou a tarde toda, sem saber que a citada lei estava sendo votada naquele dia nos Estados Unidos. Ao checar as atualizações no feed da minha página, deparei com a foto de um amigo “desfocada” por um arco-íris. Pensei: “que diferente, como será que ele fez para ter esse efeito em sua foto”? Na sequência, vi diversas outras fotos com arco-íris e achei, num primeiro momento, que a tela do meu aparelho celular estava com defeito.  “Que estranho!”  Mas será que eu fui a única a achar isso?

Bem, não demorou muito para eu entender do que se tratava e também descobrir que a celebração em rede acontecia não só no facebook, mas em várias outras redes sociais. Entre outras iniciativas, logo após o anúncio da Suprema Corte, milhares de usuários começaram a postar imagens comemorando no Instagram: “Às 18h de Brasília, a publicação de fotos com a hashtag #LoveWins já tinha passado de 600 mil” (Globo.com, 26/06/2015 16h18 - atualizado em 27/06/2015 11h32).

Fenômeno semelhante ocorreu após o atentado ao jornal francês Charlie Hebdo, no dia 7 de janeiro deste ano. Segundo notícia da Folha Uol, de 07/01/2015, às 16h53, nas oito horas seguintes ao ataque, a hashtag #JeSuisCharlie, acompanhando a capa do site do jornal, já havia sido utilizada mais de 570 mil vezes no Twitter.

Portanto, retomando o texto de Paulo Finuras, convivemos com os efeitos da globalização nas nossas vidas, que passam a ser afetadas sem precedentes por acontecimentos do outro lado do planeta que, muitas vezes, desconhecemos.   As fronteiras nacionais pulverizam-se, não apenas para o comércio, capital e informação, mas também para as ideias, normas, hábitos, símbolos e rituais. E a comunicação exerce papel preponderante nesse cenário, produzindo sentido e unindo os pontos pela informação e conhecimento.

Que aprendizados os comunicadores que atuam em organizações complexas podem extrair de fatos cotidianos como esses?  O ato de comunicar, por conta dessa nova realidade, aparentemente se tornou também complexo, já que mais abrangente e multicultural. Por outro lado, percebe-se que quanto mais simples e de fácil entendimento e transmissão, mais eficaz se dá a comunicação em rede.  A receita seria mais ou menos assim: provoque certo estranhamento, aguce a curiosidade, ofereça conhecimento, facilite a adesão e sugira compartilhamento. Quem experimentar a receita já pode passar adiante.

 

Referência

FINURAS, Paulo. Gestão Intercultural. 2ª edição, Lisboa: Sílabo, 2007.


Os artigos aqui apresentados não necessariamente refletem a opinião da Aberje e seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade do autor. 1117

O primeiro portal da Comunicação Empresarial Brasileira - Desde 1996

Sobre a Aberje   |   Cursos   |   Eventos   |   Comitês   |   Prêmio   |   Associe-se    |   Diretoria   |    Fale conosco

Aberje - Associação Brasileira de Comunicação Empresarial ©1967 Todos os direitos reservados.
Rua Amália de Noronha, 151 - 6º andar - São Paulo/SP - (11) 5627-9090