Busca avançada                              |                                                        |                            linguagem PT EN                      |     cadastre-se  

Itaú

HOME >> ACERVO ON-LINE >> COLUNAS >> COLUNISTAS >> Tatiane Ribeiro Lima
COLUNAS


Tatiane Ribeiro Lima
tatirlima@gmail.com

Tatiane Ribeiro Lima é jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero e tem MBA em Gestão da Comunicação pela Aberje ESEG. Observadora inquieta, é apaixonada pelos bastidores e por ajudar empresas e pessoas a contar a sua história. Escreveu para publicações como a Superinteressante e Revista da TAM e já trabalhou para companhias de pequeno, médio e grande porte em projetos que envolviam de IPOs e campanhas de guerrilha a  Defesa do Consumidor e Crises de Reputação e Imagem.  

Vamos todos para a escola?

              Publicado em 22/03/2016

Pode me chamar de old school, mas eu adoro cartas. Gosto da marca que as pessoas deixam nelas – não só pela caligrafia, mas também pelo sentimento colocado em cada palavra ou pontuação. Dou um exemplo. Quando questionado sobre o futuro sombrio da humanidade, o escritor E.B. White respondeu, em março de 1973, ao seu correspondente:

“Esperança é o que nos resta em tempos difíceis. Vou me levantar no domingo de manhã e dar corda no relógio, contribuindo para a ordem e a estabilidade. Os marinheiros têm uma expressão para o tempo: dizem que o tempo é um grande blefista. Acho que isso também é verdade em relação à nossa sociedade – tudo parece sombrio, e então as nuvens se abrem, e tudo muda, às vezes de repente. É óbvio que a humanidade transformou num caos a vida neste planeta. Mas, como povo, provavelmente trazemos em nós sementes do bem que desde muito esperam pelas condições adequadas para brotar. A curiosidade, a inflexibilidade, a inventividade, a engenhosidade do homem o levaram a sérias dificuldades. Só podemos esperar que o ajudem a sair delas.”

Não parece que E.B.White estava prevendo o futuro? O mundo no qual vivemos?

Olhe para a internet. Ela é um delicioso rodízio: a variedade de informação é ampla e cabe a você escolher a qualidade e quantidade a ser consumida. Você paga um preço fixo por uma liberdade que parece ilimitável. Mas não é.

Benjamin e Gloria sabem bem disso. Ele é um acadêmico especialista em Coreia do Norte e ela é atriz e, até então, uma unanimidade nacional. Ambos não corresponderam à expectativa e o que se espera de um profissional em um programa de TV ao vivo. Enquanto Benjamin travou e foi incapaz de formular um raciocínio, Gloria foi sincera e não especulou sobre o que ela não conhecia em profundidade. Ambos sentiram na pele a inflexibilidade, para não perder o lirismo de E.B.White, dos tempos modernos: viraram memes e foram julgados em praça pública.

Benjamin trancou-se em casa e se manifestou somente depois de alguns dias. Postou um textão no seu blog, assumiu uma doença mental e disse ter sofrido um ataque de pânico. Gloria também reconheceu à coluna da Monica Bergamo ter levado um tempo para assimilar aquele barulho todo. Deu em vídeo a sua versão da história, também um dia depois. Acabou rindo de si mesma, aparentemente, e até lucrou com isso.

A comunidade da internet é assim, dizem. Cobra a perfeição de quem se expõe, sob o pretexto de ser só “zueira”. O mesmo acontece, on-line e off-line, na política, que continua dividindo amizades e até famílias. As palavras secas e intolerantes, que menosprezam e ridicularizam o outro, também alimentam o jogo de poder em outros círculos, enfraquecem lideranças e fragmentam equipes e grupos que deveriam somar forças em tempos de crise.

Parece que, a essa altura do campeonato, precisamos aprender de novo a nos comunicar. Olha a ironia: toda a engenhosidade que a humanidade criou para propagar a informação não foi acompanhada pela capacidade de diálogo. “Este mundo é o que fizemos dele. Se é implacável hoje é porque nós fizemos isto por meio das nossas atitudes”, explica Marshall Rosenberg, autor de “Comunicação não-violenta : A linguagem da vida - Ferramentas de Mudança de Vida para relacionamentos saudáveis”. Para ele, a mudança do mundo acontece quando mudamos a nossa linguagem e os métodos de comunicação.

A boa notícia é que já há um movimento nesse sentido. Vejam as campanhas de respeito à diversidade, que utilizam a informação para derrubar mitos. A procura por cursos de comunicação não-violenta também aumentou. Eles fazem um raio-x no seu repertório e ensinam como ter empatia com o outro  Há algumas iniciativas também no mundo corporativo. A Dove, alinhada ao seu brand mission, lançou em parceria com o Twitter uma campanha que faz uma análise das interações das pessoas. Ainda que focada em autoestima, a #SpeakBeautiful permite que as pessoas tomem consciência da sua responsabilidade nos seus comportamentos.  

É óbvio que o mundo da comunicação pode liderar esse movimento. Em 2012, Bill Clinton fez esse alerta, durante um discurso em Cannes. Convocou os profissionais capazes de “incendiar a imaginação e preencher o cérebro das pessoas, assim como os seus corações”, de energia e informação necessárias para superar os obstáculos e abraçar um futuro estável e equitativo.

Essa, então, é a minha proposta: agarrar-se à esperança, dar corda no relógio e voltarmos todos para a escola. Vamos?


Os artigos aqui apresentados não necessariamente refletem a opinião da Aberje e seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade do autor. 687

O primeiro portal da Comunicação Empresarial Brasileira - Desde 1996

Sobre a Aberje   |   Cursos   |   Eventos   |   Comitês   |   Prêmio   |   Associe-se    |   Diretoria   |    Fale conosco

Aberje - Associação Brasileira de Comunicação Empresarial ©1967 Todos os direitos reservados.
Rua Amália de Noronha, 151 - 6º andar - São Paulo/SP - (11) 5627-9090