Busca avançada                              |                                                        |                            linguagem PT EN                      |     cadastre-se  

Itaú

HOME >> ACERVO ON-LINE >> COLUNAS >> COLUNISTAS >> Varda Kendler
COLUNAS


Varda Kendler
vkendler@hotmail.com

Mestre em Administração. Especializada em Marketing, Comunicação e Gestão Empresarial e Gestão Estratégica da Informação. Graduada em Publicidade e Propaganda.
Mais de vinte anos de experiência em Comunicação Organizacional e Marketing, em empresas de grande porte, em cargos de gestão. Atua também como consultora e professora.
Áreas de atuação: planejamento; comunicação integrada; comunicação interna e endomarketing; gestão de públicos estratégicos e crise; desenvolvimento pessoal e de equipes.

Buscando uma comunicação Yin Yang

              Publicado em 05/04/2016

O atual cenário político-econômico brasileiro é de complexidade e um dos termos mais comentados e polêmicos é a polaridade. No meio político, corporativo, docente, na imprensa e nas ruas, o termo e suas implicações são amplamente citados e debatidos.

Entendendo os polos

A Química retrata a polaridade em elementos polares e apolares no sentido de opostos, pela anulação ou sobreposição de suas forças intrínsecas. O exemplo da água e do óleo, que não se misturam, representa bem o conceito. A Física explica os polos por meio de campos magnéticos que podem se atrair ou repelir, retratados usualmente pelo imã, pelos polos norte e sul.

Na Sociologia, a polaridade refere-se a tendências opostas existentes em grupos da mesma sociedade e está relacionada ao equilíbrio social de um conjunto de indivíduos.

Já na Filosofia chinesa, o Yin Yang representa a dualidade de tudo que existe no universo. O Yang é o princípio do masculino, fogo, luz e atividade; o Yin, o feminino, água, escuridão e passividade. Apesar de serem energias opostas, nessa ideologia, esses elementos são descritos como duas forças fundamentais opostas e complementares, interdependentes. Elas se encontram em todas as coisas e, nesse sentido, achar o equilíbrio entre elas é essencial.

Compilando essas definições, nos remetemos a opostos, ao negativo e positivo, a elementos contrários.

 

 

A polaridade nas organizações

Categorizar termos, elementos, pessoas, grupos, dentre outros, é algo que o ser humano, digamos, necessita. É uma conveniência, um recurso didático.

Voltando ao termo polaridade, que vem sendo reproduzido demasiadamente, tenho a impressão de que o mesmo é utilizado para denotar extremos, opostos, grupos do “nós e eles”.

Esta reflexão me remete ao ambiente empresarial e à Comunicação. Será que esse discurso e sentimento de polaridade também estão presentes nas organizações? Quando nos referimos a público operacional e administrativo; chão de fábrica e linha de frente; cliente VIP e “não-VIP” e por aí vai, estamos nos referindo a quê? Essa linguagem e categorização se refletem nas práticas adotadas? Como são tratadas as diferenças, distinções e até mesmo os preconceitos?

O que assistimos sob os holofotes do agitado momento político provavelmente está presente em outros ambientes e nas organizações. Remuneração, clima organizacional, eventos, programas de relacionamento, formas de comunicação, canais de atendimento... Será que os profissionais de comunicação e marketing estão atentos a suas terminologias adotadas, objetivos propostos e modos de conduta?

Utilizar o recurso de segmentação de públicos é imprescindível e estratégico. Conhecer e se direcionar de formas distintas a diversos públicos, idem. Contudo, acho oportuno refletirmos sobre nossos discursos, comportamentos e práticas. Dentro e fora das organizações. No sentido de atentar se estamos privilegiando poucos, dando acesso a apenas alguns, deixando de ouvir ou atender a outros.

A Comunicação pode, portanto, contribuir como mecanismo para esclarecer, debater, repensar e permitir melhor entendimento e condução dessas questões.

A diferença é algo inerente ao ser humano. Posições opostas, pessoas, opiniões e estilos diversos compõem, de forma rica, nossa sociedade. Porém, como nos ensina a ideologia chinesa, aspectos antagônicos, exageradamente predominantes, levam a um desequilíbrio e desarmonia.

Então deixo aqui um estímulo para que não pensemos tanto preto no branco, ou preto e branco. E que sejamos capazes de enxergar, por diferentes prismas, as nossas relações, ideias, posturas e atitudes.

 


Os artigos aqui apresentados não necessariamente refletem a opinião da Aberje e seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade do autor. 834

O primeiro portal da Comunicação Empresarial Brasileira - Desde 1996

Sobre a Aberje   |   Cursos   |   Eventos   |   Comitês   |   Prêmio   |   Associe-se    |   Diretoria   |    Fale conosco

Aberje - Associação Brasileira de Comunicação Empresarial ©1967 Todos os direitos reservados.
Rua Amália de Noronha, 151 - 6º andar - São Paulo/SP - (11) 5627-9090